O volume de vendas do comércio varejista maranhense mantém a atenuação da trajetória de queda nos últimos 12 meses, encerrados em maio de 2017, aponta Imesc
Publicado em 19/07/2017

A Nota de Comércio Varejista do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), divulgada nesta terça-feira (18), aponta que o desempenho anual das vendas do varejo restrito e do ampliado maranhense mantém a tendência de amenização da trajetória de queda, observada a partir do segundo semestre de 2016. Nos últimos 12 meses, encerrados em maio de 2017, o volume de vendas do comércio varejista restrito maranhense recuou 3,5%, enquanto o varejo ampliado registrou retração de 4,3%.

A análise completa do Comércio Varejista encontra-se disponível no site do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos, pelo link: http://imesc.ma.gov.br/portal/Post/view/20/171

Segundo os dados divulgados pelo IBGE, em maio de 2017 o volume de vendas do varejo restrito no Maranhão recuou 1,5% em relação ao mês de abril. Na comparação interanual, com maio de 2016, apresentou crescimento de 5,8%.

A economista do Imesc, Marlana Portilho, explica os reflexos da recuperação da economia. “De um modo geral, a queda da inflação, melhoria das condições de acesso ao crédito e os saques das contas inativas do FGTS vêm impactando o setor varejista brasileiro, ainda de maneira pontual, também traz reflexos no desempenho do comércio varejista maranhense”.

A queda da inflação e da taxa de juros vem contribuindo para a retomada da economia brasileira. Embora lenta, a recuperação tem tido reflexos no volume de vendas do varejo brasileiro e maranhense.

 Brasil

O volume de vendas do comércio varejista restrito brasileiro ficou estável na comparação com abril de 2017, com variação de 0,1%. Em comparação a maio de 2016, o volume de vendas registrou aumento de 2,4%, a segunda alta consecutiva do ano. Quanto ao varejo ampliado, o setor de Material de Construção apresentou expansão de 1,9% na passagem de abril para maio de 2017. Na comparação interanual, apresentou crescimento de 9,3%.