Debate sobre os Novos Horizontes para as Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística do Brasil marcam abertura do XXIII Encontro da Anipes, em São Luís
Publicado em 08/11/2018
A troca de informações e experiências entre pesquisadores e técnicos das instituições de pesquisa e estatística de todo o Brasil marcaram a cerimônia de abertura do XXIII Encontro da Associação Nacional das Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística (ANIPES). Com a presença do governador Flávio Dino, o evento foi aberto oficialmente na manhã desta quinta-feira (8), no Auditório do Palácio dos Leões.
 
Com apoio do Governo do Estado e realizado pelo Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (IMESC), o evento tem como foco principal o debate sobre os “Novos Horizontes para as Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística do Brasil”.
 
Sobre o tema, o governador Flávio Dino analisou a importância dos institutos de pesquisa para o Brasil, dando ênfase ao trabalho realizado no IMESC desde o começo do mandato. “Nós precisamos avançar no crescimento econômico e no desenvolvimento. E só é possível fazer isso com ciência, com planejamento, com método. Estes institutos de pesquisa, todos vinculados a uma longa experiência que o Brasil tem a partir do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os institutos estaduais complementam e integram este sistema e são fundamentais pra que a gente possa ter condições de, de fato, prognosticar aquilo que nós desejamos, que é um país mais justo”, pontuou.
 
“É preciso apoiar esses institutos. Temos feito isso aqui no Maranhão desde o começo do mandato, investindo na restruturação do IMESC, na sua estrutura física e nos recursos humanos, e vamos continuar esse processo pois acreditamos que o conhecimento é realmente a base do desenvolvimento”, acrescentou o governador.
 
Para o economista Felipe de Holanda, presidente do Imesc e vice-presidente da Anipes, o evento tem o objetivo de “mostrar a qualidade dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos”. Para ele, a força dos institutos de pesquisa está, também, “nas parcerias que são realizadas com instituições privadas e públicas, em todo o Brasil”.
 
Assim como as parcerias, a troca de experiências é fundamental para um bom planejamento econômico para o país, segundo analisa o presidente da ANIPES, Júlio Miragaya. “Este é encontro é bom para debater, interagir e estabelecer cooperação entre os órgãos que estão aqui presentes, para que a estatística no país possa aumentar. Com isso, se terá uma melhor qualidade da informação que é fundamental para o planejamento do governo”, pontuou.
 
A abertura oficial do evento contou, ainda, com a mesa de debates acerca do tema “Novos Horizontes para as Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística do Brasil”. Ontem (7), o encontro contou com oficinas nas áreas de cartografia e contas regionais, realizadas no Casarão Tech (Centro Histórico de São Luís). 
 
Além do Palácio dos Leões, o encontro ocorrerá, ainda, em outros pontos de São Luís, a exemplo do Casarão Tech, localizado no Centro Histórico da capital maranhense, além da sede do Imesc, no bairro do Renascença.
 
O encontro conta, ainda, com uma ampla programação, com atividades expositivas de troca de experiências, através de mesas redondas e apresentação de trabalhos. A programação completa está no site do evento: http://encontro2018.anipes.org.br/.
 
ANIPES
 
A Associação Nacional das Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística (ANIPES) foi fundada em 1999, por iniciativa de órgãos estaduais, para discussão de temas no campo das atividades de produção e análise de informações, tendo como objetivo subsidiar o planejamento governamental e permitir o acompanhamento da conjuntura social e econômica no Brasil.
 
Atualmente, são 29 instituições filiadas, de todo o Brasil, reunindo instituições com diferentes naturezas organizacionais – fundações, autarquias e da administração direta e indireta – e âmbitos de governo – federal, estadual e municipal.
 
Por meio de encontros anuais, eventos regionais, cursos de capacitação de curta duração, Boletim de Estatísticas Públicas, projetos em rede entre outras iniciativas, as instituições filiadas têm a oportunidade de trocar experiências de pesquisas, compartilhar metodologias, capacitar suas equipes técnicas e desenvolver atividades em parceria técnica entre si e com o IBGE, Ipea, Ministérios, além de outras organizações no país e no exterior, com o intuito de colaborar com o aperfeiçoamento do Sistema Estatístico Nacional.